Sua infraestrutura de TI está realmente preparada para o DevOps?

Lá pelos idos de 2007, surgiu um movimento entre desenvolvedores e profissionais de TI no sentido de eliminar as barreiras entre as duas áreas. Eles enxergaram na integração um caminho para se tornarem mais eficientes e rápidos, ampliando a capacidade de gerar valor aos negócios e aos clientes.

O fruto dessa convergência de propósitos é a metodologia DevOps (Development + Operations), conjunto de práticas que une desenvolvedores e profissionais de TI para que possam criar, testar, corrigir, liberar e atualizar softwares com rapidez e segurança.

Trata-se de uma nova cultura dentro das empresas, que requer postura colaborativa e comunicação permanente, calcada no monitoramento e feedback contínuo do desempenho dos softwares. Esse acompanhamento depende de ferramentas automatizadas, que encontram na composable infrastructure o ambiente ideal.

Por que composable infrastructure?

Uma infraestrutura composta é aquela cujos recursos físicos de processamento, armazenamento e network são tratados como serviços. Em uma composable infrastructure, os recursos são agrupados logicamente para que a equipe de TI não precise configurar fisicamente o hardware para suportar um software específico. A composable infrastructure oferece o melhor desempenho possível dos aplicativos, reduz a subutilização e o provisionamento em excesso e cria um data center mais ágil e econômico.

Em poucas palavras, estamos falando de uma infraestrutura baseada em código, com inteligência definida por software, na qual processos até então manuais são automatizados e customizados.

Para usar um exemplo bem simples, vamos imaginar que você tenha em seu data center uma estrutura de servidor com 12 lâminas, nas quais 10 rodam em um ambiente de virtualização e duas na função de backup, jogando os dados em uma fita ou um storage. À noite, quando a maior parte dos funcionários está em casa, o ambiente de virtualização fica ocioso, enquanto os servidores de backup podem sofrer uma sobrecarga. Com a composable infrastructure é possível programar, por meio de linhas de comando, que, a partir de um determinado horário, duas máquinas do aglomerado de virtualização passem a também fazer backup, aumentando o desempenho total do conjunto, atendendo à janela de backup fora do horário comercial. Às 6h da manhã, finalizada a cópia de segurança, as duas lâminas voltam automaticamente para a virtualização. Isso significa otimização do investimento em TI e maior poder computacional em uma estrutura mais enxuta e compacta.

No caso do desenvolvimento de softwares, a composable infrastructure oferece um conjunto fluido de recursos que podem ser combinados dinamicamente para atender demandas específicas de qualquer aplicativo, criando o cenário ideal para a aplicação do DevOps.

A adoção de metodologias ágeis está nos seus planos? Vamos conversar.