O que é Transformação Digital?

A transformação digital é o processo de integrar tecnologia digital a todos os aspectos da empresa, o que exige mudanças fundamentais de tecnologia, cultura, operações e entrega de valor. Para aproveitar melhor as tecnologias emergentes e sua rápida expansão nas atividades humanas, uma empresa precisa se reinventar, transformando radicalmente todos os seus processos e modelos. A transformação digital requer uma mudança de foco para a borda da empresa e data centers mais ágeis, para suportar essa borda. Isso também significa se livrar da tecnologia legada, que pode custar caro para a empresa manter, além de alterar a cultura da companhia para apoiar a aceleração que vem com a transformação digital.

Breve história da transformação digital

Embora a transformação digital seja um tópico popular no ambiente de tecnologia de hoje, na verdade, ela já faz parte das conversas há algumas décadas. No entanto, ela nem sempre teve o mesmo significado. Por muito tempo, ela foi algo no campo da digitalização ou da tradução de formas de dados tradicionais para que pudessem ser armazenados digitalmente. Isso é importante, porém uma parte muito pequena do escopo da transformação digital moderna, que, na verdade, evoluiu a partir da digitalização.

Quando as empresas perceberam que poderiam usar os dados recém-digitalizados, elas começaram a desenvolver processos para fazer isso. Desde então, a taxa de surgimento de tecnologias acelerou exponencialmente, tornando cada vez mais importante adaptar-se e manter-se competitivo. Embora a transformação digital seja um tópico popular no ambiente de tecnologia de hoje, na verdade, ela já faz parte das conversas há algumas décadas. No entanto, ela nem sempre teve o mesmo significado. Por muito tempo, ela fez parte do campo da digitalização ou da tradução de formas de dados tradicionais para que pudessem ser armazenados digitalmente. Isso é importante, porém uma parte muito pequena do escopo da transformação digital moderna, que, na verdade, evoluiu a partir da digitalização. Quando as empresas perceberam que poderiam usar os dados recém-digitalizados, elas começaram a desenvolver processos para fazer isso. Desde então, a taxa de surgimento de tecnologias acelerou exponencialmente, tornando cada vez mais importante adaptar-se e manter-se competitivo.

Por que fazer a transformação digital?

As empresas estão rapidamente trocando suas interações tradicionais por experiências digitais alimentadas pelos avanços na tecnologia. Frequentemente, isso ocorre não porque as empresas querem se transformar, mas porque elas precisam se transformar se quiserem sobreviver. O mercado passou a esperar que as empresas criem experiências digitais eficientes, e uma empresa que não se adaptar a esse novo modelo de cliente digital será abandonada.

Por outro lado, uma empresa que aceitar as mudanças e se adaptar a um modelo mais ágil tem o potencial para ter mais sucesso do que nunca. Isso porque a transformação digital, em sua essência, significa examinar todos os aspectos de uma empresa e descobrir como modernizá-los, para que possam continuar a evoluir conforme a tecnologia evolui.

  • Melhore os processos: As novas tecnologias permitem que as empresas automatizem os processos mais simples e eliminem os intermediários dos processos mais complexos. Isso deixa as empresas mais ágeis e permite que elas usem seu capital humano de maneiras mais eficientes.
  • Encontre novos fluxos de receita: Caminhos lucrativos, que talvez não estivessem abertos para as empresas, quando elas foram fundadas, podem estar abertos agora por meio das tecnologias emergentes.
  • Crie experiências mais personalizadas e atrativas para os clientes: Os clientes de hoje esperam que as empresas os ouçam e atendam às suas necessidades específicas. A tecnologia evoluiu para atender exatamente a esse propósito.

Para aproveitar os dados digitais, entretanto, as empresas precisam adotar as tecnologias assim que elas se tornarem disponíveis, testá-las e usar esse feedback para se adaptarem melhor e se prepararem para o futuro. Mesmo que incorporar novas tecnologias seja mais arriscado do que usar sistemas estabelecidos, as recompensas também podem ser muito, muito maiores.

As principais etapas de uma transformação digital

Apesar de o processo de transformação digital ser diferente em cada empresa, há algumas etapas que são importantes e devem ser consideradas por todas.

  • Crie um plano que funciona para os negócios: Ao começar um processo de transformação digital, é vital para uma empresa saber tanto como ela quer evoluir quanto que novas tecnologias ela pode usar para chegar lá. As empresas precisam pensar em todos os recursos que elas têm à sua disposição e quais podem ser dedicados à modernização. Isso pode, inclusive, levar a mudanças nas prioridades de projetos e ideias dentro da organização de negócios, identificando quaisquer lacunas que possam atrapalhar os esforços de transformação digital.
  • Faça seus funcionários usarem e dominarem tecnologias emergentes: Esse processo pode ser complicado, pois os modelos de negócios tradicionais exigiam que os funcionários aprendessem determinados sistemas e continuassem a usá-los por anos a fio. Com a transformação digital, os funcionários precisam estar abertos às mudanças nos processos que eles usam para realizar suas tarefas se isso for deixar o trabalho mais eficiente. Isso também significa pensar criativamente sobre o potencial das novas tecnologias e em como elas podem ser mais bem utilizadas.
  • Abandone as tecnologias legadas: Frequentemente, as empresas gastam rios de dinheiro apenas para manter tecnologias antigas que não trazem mais lucro e não oferecem a experiência digital exigida pelo mercado. Isso ocorre porque atualizar tecnologias mais antigas pode ser caro e complicado. Entretanto, depender de tecnologia legada atrapalha a empresa como um todo. É algo que consome recursos valiosos que poderiam ser aplicados em tecnologias mais fáceis de usar, que ofereceriam uma melhor experiência ao cliente e/ou conduziriam análise de dados mais rapidamente.

 

Saiba como podemos ajudar você nessa jornada!

 

Fonte: HPE

HPE ajuda clientes com transformação digital

A Hewlett Packard Enterprise anunciou avanços significativos na estratégia de plataforma como serviço (aaS) de ponta a nuvem da empresa, por meio de serviços em nuvem da próxima geração e uma experiência de entrega acelerada para o HPE GreenLake. Os novos serviços na nuvem do HPE GreenLake – que abrangem gerenciamento de contêiner, operações de aprendizado de máquina, VMs, armazenamento, computação, proteção de dados e rede – ajudam os clientes a transformarem e modernizarem seus aplicativos e dados – a maioria dos quais reside no local, em instalações de colocation, e cada vez mais na borda.

“Agora, mais do que nunca, dadas as condições atuais do mercado, as organizações têm uma necessidade urgente de conectar e potencializar todos os seus aplicativos e dados, a fim de transformarem seus negócios, apoiarem seus funcionários e atenderem seus clientes”, diz Antonio Neri, presidente e CEO da Hewlett Packard Enterprise. “À medida que entramos na próxima fase do mercado na nuvem, os clientes exigem uma abordagem que lhes permita inovar e modernizar todos os seus aplicativos e cargas de trabalho, incluindo os que estão na borda e no local. Ao oferecer uma experiência na nuvem, consistente em qualquer lugar, por meio dos serviços do HPE GreenLake e software projetado para acelerar a transformação, a HPE se posiciona de maneira exclusiva para ajudar os clientes a aproveitarem todo o poder de suas informações, onde quer que estejam.”

Hoje as companhias estão em uma encruzilhada em seus esforços de transformação digital. Segundo a IDC, apesar do crescimento e da adoção das nuvens públicas, 70% dos aplicativos permanecem fora delas. Devido a vários fatores, incluindo emaranhamento de aplicativos, prioridade alta ou baixa, sigilo dos dados, compliance de segurança e custos imprevisíveis, as empresas têm se esforçado para mover a maioria dos aplicativos que administram seus negócios para as nuvens públicas. Forçadas a manter dois modelos operacionais, elas enfrentam custos adicionais, complexidade e ineficiência, agilidade e inovação limitadas, além da incapacidade de capitalizar informações em qualquer lugar.

A HPE oferece uma abordagem única para resolver esse dilema, com os serviços na nuvem do HPE GreenLake para clientes no ambiente de sua escolha – da borda à nuvem – com um modelo operacional consistente e com visibilidade e governança em todos os aplicativos e dados corporativos.

Os serviços na nuvem HPE GreenLake também oferecem aos clientes um modelo econômico superior. Ao contrário dos fornecedores da nuvem pública, que cobram dos clientes a devolução dos dados no local, a HPE não cobra taxas de saída de dados. O modelo flexível como serviço do HPE GreenLake e as ferramentas robustas de análise de custos e conformidade permitem que os clientes preservem o fluxo de caixa, controlem os gastos e priorizem os investimentos alinhados às prioridades dos negócios.

 

Saiba como a AMR pode ajudar você nessa jornada!

 

Fonte: Decision Report

HPE oferece soluções prontas de infraestrutura de desktop virtual

Ao reconhecer a crescente necessidade de implementar ou dimensionar a infraestrutura remota da força de trabalho para atender às políticas de distanciamento social e quarentena, a Hewlett Packard Enterprise – HPE está lançando uma solução ainda mais poderosa de infraestrutura de desktop virtual – VDI, oferecendo termos de financiamento flexíveis e novas soluções pré-configuradas para aumentar a flexibilidade e acelerar a entrega para os clientes. A gama de soluções VDI, serviços de consultoria e financiamento da HPE permite que os clientes projetem e adaptem rapidamente suas implementações de VDI para atender às necessidades dos usuários, manter sua rede segura e economizar capital.

Disponível agora, a HPE Financial Services está oferecendo novas opções inovadoras de ciclo de vida financeiro e de ativos, incluindo a possibilidade de adiamentos de pagamento de 90 dias em soluções VDI. As soluções HPE VDI também estão disponíveis, com um modelo de consumo de serviço por meio do HPE Greenlake que oferece suporte a clientes que exigem flexibilidade financeira e uma experiência de TI mais simplificada.

As soluções de infraestrutura, que oferecem os principais recursos de gerenciamento remoto, segurança e automação do setor, ajudam as empresas a fornecerem rapidamente espaços de trabalho virtuais para suas equipes

A HPE também oferece novas soluções de VDI pré-configuradas para prestar suporte a clientes pequenos, médios e empresariais. Criadas nos servidores HPE ProLiant ou HPE Synergy, essas soluções podem iniciar com apenas 80 usuários e escalar para mais de dois mil trabalhadores remotos, tendo sido projetadas para ambientes Citrix e VMware.

Outro anúncio foi da solução VDI de alto desempenho para dar suporte a usuários avançados que trabalham remotamente. O HPE Moonshot agora é fornecido com o novo servidor blade HPE ProLiant m750, oferece mais de 70% de vantagem de desempenho e consome 25% menos energia que a geração anterior. Em desktops e aplicativos virtualizados em que densidade e eficiência são fundamentais, o novo servidor blade HPE ProLiant m750 pode suportar cerca de 33% a mais de trabalhadores remotos com 25% menos energia.

“A resposta global urgente à Covid-19 pressionou nossos clientes a implementarem e expandirem rapidamente opções de trabalho remotas e seguras para suas organizações. Tenho orgulho de que nossa equipe esteja oferecendo uma variedade de soluções, serviços e conhecimentos para ajudar nossos clientes a apoiarem seus funcionários e operações durante esse período crítico”, diz Gerald Kleyn, vice-presidente e gerente geral dos sistemas Moonshot, Edge e IoT na HPE. “Nossas soluções de infraestrutura, que oferecem os principais recursos de gerenciamento remoto, segurança e automação do setor, ajudam as empresas a fornecerem rapidamente espaços de trabalho virtuais para sua equipe”.

As novas soluções podem ser facilmente acessadas e gerenciadas, para alimentar uma variedade de aplicativos de uso remoto em mercados como bancos, saúde e educação. Esses aplicativos incluem comércio eletrônico, telemedicina, suporte para trabalhadores remotos em instalações médicas temporárias e e-learning para salas de aula virtual e educação a distância, EAD.

A HPE também oferece uma gama de serviços de consultoria e profissionais para ajudar os clientes a projetarem, implantarem e gerenciarem suas iniciativas de força de trabalho remota, tendo sido recentemente reconhecida como líder no primeiro cenário de mercado mundial de serviços de trabalho digital da IDC. Com centenas de especialistas em locais de trabalho digitais em todo o mundo, entregando mais de 500 projetos por ano, a HPE possui profunda experiência em ajudar as organizações a estabelecerem conectividade segura e confiável para trabalhadores remotos, implementando rapidamente opções de locais de trabalho remotos com parceiros como Microsoft e Citrix.

 

Fonte: inforchannel

9 vídeos inspiradores sobre transformação digital

Essas apresentações e palestras têm uma mensagem para todas as empresas, grandes e pequenas: entre no trem digital agora ou permaneça na estação para sempre.

1. “Digital Disruption. Digital Transformation,” Karl-Heinz Streibich, Innovation World 2015

 

2. “Flipping the Switch,” Frank Gens, Digital Transformation Conference 2016

 

3. “The Digital Transformation of Industries,” various speakers, Davos 2016

 

4. “The Digital Transformation Playbook,” David Rogers, Brite ’16 Conference

 

5. “Why Most Digital Business Transformations Will Fail,” Martin Gill, TNW Conference Europe 2015

 

6. “Forget Disruption, It’s Time for Transformation,” Dado Van Peteghem, Digital First 2015

 

7. “The 6 Key Challenges of Digital Transformation,” Emmanuel Vivier, Adobe Summit EMEA 2015

8. “Leading Digital Transformation Now—No Matter What Business You’re In,” Dr. Didier Bonnet, Oracle OpenWorld 2014


9. “The Digital Transformation of Enterprises,” Jessica Federer, FICOD15

 

Sua infraestrutura de TI está realmente preparada para o DevOps?

Lá pelos idos de 2007, surgiu um movimento entre desenvolvedores e profissionais de TI no sentido de eliminar as barreiras entre as duas áreas. Eles enxergaram na integração um caminho para se tornarem mais eficientes e rápidos, ampliando a capacidade de gerar valor aos negócios e aos clientes.

O fruto dessa convergência de propósitos é a metodologia DevOps (Development + Operations), conjunto de práticas que une desenvolvedores e profissionais de TI para que possam criar, testar, corrigir, liberar e atualizar softwares com rapidez e segurança.

Trata-se de uma nova cultura dentro das empresas, que requer postura colaborativa e comunicação permanente, calcada no monitoramento e feedback contínuo do desempenho dos softwares. Esse acompanhamento depende de ferramentas automatizadas, que encontram na composable infrastructure o ambiente ideal.

Por que composable infrastructure?

Uma infraestrutura composta é aquela cujos recursos físicos de processamento, armazenamento e network são tratados como serviços. Em uma composable infrastructure, os recursos são agrupados logicamente para que a equipe de TI não precise configurar fisicamente o hardware para suportar um software específico. A composable infrastructure oferece o melhor desempenho possível dos aplicativos, reduz a subutilização e o provisionamento em excesso e cria um data center mais ágil e econômico.

Em poucas palavras, estamos falando de uma infraestrutura baseada em código, com inteligência definida por software, na qual processos até então manuais são automatizados e customizados.

Para usar um exemplo bem simples, vamos imaginar que você tenha em seu data center uma estrutura de servidor com 12 lâminas, nas quais 10 rodam em um ambiente de virtualização e duas na função de backup, jogando os dados em uma fita ou um storage. À noite, quando a maior parte dos funcionários está em casa, o ambiente de virtualização fica ocioso, enquanto os servidores de backup podem sofrer uma sobrecarga. Com a composable infrastructure é possível programar, por meio de linhas de comando, que, a partir de um determinado horário, duas máquinas do aglomerado de virtualização passem a também fazer backup, aumentando o desempenho total do conjunto, atendendo à janela de backup fora do horário comercial. Às 6h da manhã, finalizada a cópia de segurança, as duas lâminas voltam automaticamente para a virtualização. Isso significa otimização do investimento em TI e maior poder computacional em uma estrutura mais enxuta e compacta.

No caso do desenvolvimento de softwares, a composable infrastructure oferece um conjunto fluido de recursos que podem ser combinados dinamicamente para atender demandas específicas de qualquer aplicativo, criando o cenário ideal para a aplicação do DevOps.

A adoção de metodologias ágeis está nos seus planos? Vamos conversar.